“Mobile Legends: Bang Bang” entra no mercado de eSport Brasileiro.

“Mobile Legends: Bang Bang” é um jogo mobile multiplayer online battle arena (MOBA), desenvolvido e publicado pela Shanghai Moonton Technology. Com cerca de 26.2 milhões de usuários segundo a NewZoo, o Jogo tem se tornado muito popular no sudeste da Ásia, mas a desenvolvedora não busca apenas o mercado asiático, pelo contrário, visualiza grande potencial no Brasil, inclusive, lançou oficialmente o “Mobile Legends: Bang Bang (MLBB) Brazil – #MPLBR” um circuito competitivo com premiação de $30.000 (trinta mil dólares).

O interesse da desenvolvedora no mercado brasileiro não é aleatório: mercados subdesenvolvidos como o Brasil, fazem com que o consumo de jogos mobile seja maior que Console ou PC.

Segundo dados atualizados da NewZoo em 06.07.2021, o Brasil gera um rendimento total de $2.29 bilhões de dólares no mercado de vídeo games, sendo que a maior concentração está em jogos mobile, $1.08 bilhões de dólares. Ainda, em usuário, o Brasil tem um total de 92.4 milhões de jogadores ,sendo que 88.4 milhões dos jogadores são mobile.

Apesar de o mercado brasileiro ser altamente consumidor de jogos mobile, o “Moblie Legends: Bang Bang”, segundo a NewZoo ainda está muito longe de ser o preferido entre os brasileiros, ocupando a posição 41ª, logo atrás de “Call of Duty: Mobile” e muito distante do preferido entre os brasileiros o “Free Fire” que está na 6.ª posição do ranking.

Independentemente da posição dos jogos no mercado brasileiro, é fato que desenvolvedoras valorizam o mercado de eSports no Brasil, prova disso é a Riot Games que, após lançar o jogo “Wild Rift”, anunciou uma liga dedicada ao Brasil, agora temos a “Moonton Tachonology”, comprovando a importância do mercado de eSport na nossa economia, mas não apenas a importância dos times e jogadores, como também todo o consumo, circulação de pessoas, diversão e entretenimento que o setor gera e pode gerar com investimentos, patrocínios e apoio seja dos setores privados ou públicos para nosso país.

Crescimento do mercado de Mobile

O mercado de games está crescendo globalmente e sequer a pandemia foi capaz de barrá-lo, pelo contrário, o fato de as pessoas estarem isoladas tornou os games uma fonte de entretenimento e interação; e, esse aumento não para. Segundo relatório da NewZoo, estima-se que em 2021 a receita anual de Us$1 bilhão será ultrapassada. Ainda estima-se que até o fim do ano o público alcancará 474 milhões de fãs.

Acredita-se que grande parte desse aumento, deu-se em decorrencia do alto consumo dos jogos mobiles, principalmente, pela facilidade, pois, atualmente, a maioria das pessoas detém um smartphone. No caso, pesquisa realizada pela Newzoo no ano de 2020 aponta que a população mundial era, em torno de, 7milhões de pessoas enquanto os usuários de smartphone já representavam 3.5 milhões.

Esse crescimento poderia ser muito superior se países subdesenvolvidos como, por exemplo, o Brasil e a Índia – que são peças primordiais-, não apresentassem deficiências relacionadas à infraestrutura/conexão. No Brasil, há regiões em que não há internet, outras em que inexiste sinal 4G e, para piorar, o leilão da internet 5G foi postergado para, segundo o Ministro das Comunicações, junho/julho deste ano[1].

A falta/deficiência de conectividade não prejudica apenas o mercado de games no país, mas também os jogadores que ficam tolhidos de desenvolver o seu potencial perante os demais, principalmente em campeonatos ou disputas internacionais que envolvem jogadores de outros países onde a conexão é superior.

Mas independente das dificuldades, o Brasil é um país amante de jogos mobile, segundo estatísticas da NewZoo, o mercado brasileiro mobile em 2020 atingiu em torno de $962milhões, mas o que muitos ficarão arrasados são os jogos mais consumidos, isso porque em primeiro lugar diferente do que muitos imaginam está o jogo Among Us e não o Free Fire, criado pela publisher Garena, que está em quarta posição, não acredita, é verdade, mas sabemos que esse ranking será mudado breviamente pois além do sucesso do Free Fire agora temos mais um super jogo no mercado que é o Wild Rift, de criação da Riot Games, e em outros jogos de sucesso.

Apesar dessa dificuldade, o Brasil é um país amante de jogos mobile. Só no ano de 2020, o mercado brasileiro faturou, aproximadamente, US$962milhões; e, para não perder esses números, as empresas já estão lançando novos jogos para agradar o seu público como, por exemplo, o “ Wild Rift”, de criação da Riot Games. E você? O que está esperando para baixar o seu jogo?


[1] Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2021-03/leilao-5g-acontecera-ate-julho-afirma-fabio-faria

OLHOS ABERTOS PARA O TERMO DE USO DO FREE FIRE

Impressionante o número de banimentos que a Garena anunciou neste mês. Foram cerca de 1.3 milhões de players no intervalo de apenas 02 (duas) semanas e todos tiveram como fundamentação o uso de “cheating” – meio de trapaça para ganhar vantagem no jogo.

Ante esse cenário, questiona-se: será que todos conhecem os Termos de Uso do Free Fire?

Para aqueles que não leram ou não conhecem, a ABG separou os pontos mais relevantes e imprescindíveis para iniciar o jogo. 

O item “Contas e Serviços” dispõe que a Garena poderá, “por qualquer motivo, a seu exclusivo critério e sem aviso prévio nem responsabilidade perante o usuário ou qualquer terceiro encerrar imediatamente a Conta o ID, bem como remover ou descartar do Site qualquer conteúdo associado com a conta e ID do usuário, ais motivos podem incluir: períodos prolongados de inatividade; violação de letra ou do espírito do Termo de Serviços; comportamento fraudulento, de assédio, difamatório, ameaçador ou abusivo ou e comportamento prejudicial aos outros, a terceiros ou aos interesses da Garena”.

Importante mencionar que, ao baixar o jogo, o usuário concorda em NÃO:

  1. Carregar, publicar, enviar por e-mail, transmitir ou de outra forma disponibilizar qualquer conteúdo ilegal, prejudicial, ameaçador, abusivo, de assédio, alarmante, perturbador, danoso, difamatório, obsceno, calunioso, que invada a privacidade de outra pessoa, de ódio ou objetável em termos raciais, étnicos ou de outro teor;
  2. Usar serviços para prejudicar menores de idade de forma alguma;
  3. Usar os serviços para personificar qualquer pessoa ou entidade, ou de outra forma representar indevidamente sua filiação com uma pessoa ou entidade;
  4. Forjar cabeçalhos ou de outra forma manipular identificadores para disfarças a origem de qualquer Conteúdo transmitido por meio dos serviços;
  5. Remover qualquer aviso exclusivo do site;
  6. Causar, permitir ou autorizar modificação, a criação de trabalhos derivativos ou a tradução dos Serviços sem a permissão expressa da Garena;
  7. Usar os Serviços para qualquer finalidade comercial, ou benefício de qualquer terceiro, ou de alguma forma não permitida pelas licenças concedidas;
  8. Usar serviços para fins fraudulentos;
  9. Carregar, publicar, enviar por e-mail, transmitir ou de outra forma disponibilizar qualquer material que contenha vírus de software, worms, cavalos de troia ou qualquer outro código de computador, torinas, arquivos ou programas para interferir direta ou indiretamente, manipular, interromper, destruir, ou limitar a funcionalidade, ou a integridade de qualquer software ou hardware de computador, dados ou equipamentos de telecomunicações;
  10. Usar os Serviços para, de forma intencional ou não, violar qualquer lei, regra, código, diretriz, política ou regulamentação local, estadual, nacional ou internacional, incluindo, sem limitação, leis e requisitos

Destacamos também que a Garena poderá ou não pré-avaliar o conteúdo, a seu exclusivo critério, bem como recusar, excluir ou mover qualquer conteúdo disponível no site, sem limitação, inclusive de receber qualquer reclamação de outro usuário, podendo ser em decorrência do uso de violação de propriedade intelectual ou outra instrução legal para remoção, ou se o conteúdo ser questionável de alguma forma.

A Garena possui, ainda, o poder de bloquear a entrega de uma comunicação (incluindo, atualizações de status, publicações, mensagens e/ou conversas) para proteger outros usuários.

Por fim, o Termo de Uso estabelece procedimento de denúncia por correio eletrônio (info@garena.com) para casos de violação das regras; e, ainda, define como legislação aplicável as leis da República da Cingapura, a Convenção das Nações Unidas sobre Contratos para Venda Internacional de Bens e a Lei de Transação Uniformes de Informações de Computador, definindo a arbitragem do Singapure International Arbitration Center como método de resolução de conflitos.

Em que pese à previsão de aplicação da legislação estrangeira e a utilização da arbitragem, na prática, por tratar de questões estritamente consumeristas, jogadores banidos estão ajuizando ações na Justiça Comum do local em que residem como, por exemplo, o Processo nº 0806555.86.2020.8.12.0003 que Letícia Vicentina Nunes Zandona move em face de Garena e Google perante a 02ª vara Cível de Dourados – MG.

Na presente ação, a autora requereu a reativação da sua conta sob alegação de que foi banida de forma definitiva, indevida e sem a possibilidade de defesa. Requereu o desbloqueio de seu smartphone ao sistema do jogo, danos morais e danos materiais. Sob fundamentação de que a Garena não foi capaz de provar que a autora utilizou mecanismos de trapaça e que há vicio na qualidade de segurança comprovada pela quantidade de reclamações, a ação foi julgada procedente para condenar a Garena a restituição da conta nos termos anteriores, bem como para determinar o desbloqueio do smartphone e condenar a empresa ao pagamento de danos morais arbitrado em R$5.000,00 (cinco mil reais).