Você sabe o que é doping nos esportes eletrônicos?

Doping é a violação de uma ou mais regras antidopagem e o que caracteriza esta violação é a presença de uma ou mais substâncias proibidas no organismo do atleta. Para tanto, a Agência Mundial Antidoping  (WADA),  de ambito internacional, tem o papel de apurar a presença de substâncias proibidas nos atletas. Cabe também a WADA a responsabilidade em editar o Código Mundial Antidopagem, onde constam quais são as substancias proibidas bem como as penas a serem aplicadas.

No Brasil, a fiscalização é feita pela ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem) em conjunto com o TJDAD (Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem), que aplica as punições aos atletas baseando-se no Código Brasileiro Antidopagem.

Importante destacar, que existem agências autônomas que fazem a fiscalização, como, podemos citar a WESA World Esports Association (WESA), que se utiliza da lista de substâncias e das regras contidas no Código Mundial editado pela WADA, e a Esports Integrity Commission (ESIC), que atuam em conjunto com a organizadora de torneios ESL, promotora dos principais torneios de Counter-Strike: Global Offensive, tem o seu próprio código antidopagem.

Destaca-se que, nos esportes eletrônicos a sistemática é diferente, tendo em vista que não há uma uniformização em relação a quem irá fiscalizar as condutas relacionadas ao doping e muito menos uma padronização de quais substâncias são proibidas para o consumo, de modo que muitas competições sequer possuem politicas antidoping.

Ainda, há uma grande preocupação, por parte das organizadoras, com o que pode ser chamado de doping tecnológico, que é a utilização de hacks que trazem alguma vantagem aos jogadores, e que acarretam em punições quando descobertos.

Desta feita, cabe as organizadoras de torneios e campeonatos bem como as publishers gerir o seu cenário competitivo, tendo um responsábilidade gestora e social, não apenas no que diz respeito ao consumo de substâncias proibidas como também nna proteção ao doping tecnológico, visando assim segurança do cenário competitivo, respeitando o fair play, bem como a saúde dos participantes.

Ricardo Aguiar de Negreiros Andrade – @rnadvdesportivo

Advogado, Vice-Presidente da comissão de esporte, lazer e direito desportivo da OAB Subseção Juazeiro do Norte – CE, Defensor dativo no TJDAD e pós-graduando em direito desportivo

Deixe uma resposta